Postado em: 22/06/2022 - Artigos

A importância da formação de preço e do valuation

Por BPH Advogados

Muito se houve acerca do “valuation” de determinada empresa ou negócio, sem, contudo, muitos terem conhecimento do que exatamente o termo de fato signifique, implicando no desconhecimento de sua importância, seja para os negócios, para planejamentos sucessórios, societários ou em processos de M&A.

Em poucas palavras, o valuation é a avaliação, ou ainda, a técnica de valoração de um determinado negócio e/ou empresa. É com o valuation que o gestor chega ao efetivo conhecimento da capacidade de geração de riquezas do negócio.

Nos processos de M&A a importância do valuation é óbvia, sendo uma importante medida de formação do preço, seja para uma operação de cash out (onde os sócios usualmente saem do negócio, vendendo suas participações), ou de cash in (quando o investidor subscreve capital e injeta recursos e mantem-se os sócios do negócio), ou numa junção dos dois, com um cash out parcial com parcela de cash in.

Assim, no caso de venda total do negócio, o valuation constitui importante fator para a decisão de quanto se pretende investir, e, da outra ponta, por quanto se pretende vender. Nas situações de cash in o valuation se vale como ferramenta de apuração do preço de emissão de ações e/ou do possível percentual que o investidor poderá obter do negócio, aplicando determinada quantia em dinheiro.

O valuation ainda é muito utilizado como critério de valoração de opções de compra, stock option e/ou subscrição de novas participações pelos sócios, bem como em acordos de acionistas, quando se fala no exercício do direito de retirada ou para o exercício de cláusulas de liquidez ou resolução de conflitos, por exemplo.

É de suma importância que as empresas definam critérios de valoração do negócio, evitando-se assim a apuração por perícias contábeis efetuadas sem maiores critérios, como, por exemplo, simplesmente pela observância do valor do Patrimônio Líquido contábil, que, não raro, não reflete o valor do negócio.

Em planejamentos sucessórios ou societários, os critérios de valuation pré-definidos, inclusive com escolha do método de apuração,  garantem maior segurança aos sócios em caso de liquidação parcial da sociedade, em especial no exercício do direito de retirada, falecimento e separação.

Quanto a obrigações de liquidez, pode se garantir um valor mínimo a ser observado, enquanto em situações de resolução de conflitos, pode se dar vazão e segurança às cláusulas de compra e venda recíprocas. Assim, uma escolha atenta aos critérios de valuation permite evitar-se discussões futuras.

Marco Aurélio Poffo, sócio da BPH Advogados destaca que “existem diversos métodos de valuation, como o Patrimônio Líquido, o EBITDA ou seus múltiplos, o fluxo de caixa, critérios híbridos, estes que devem ser devidamente eleitos nas relações societárias, e escolhidos como a melhor forma de refletir o valor do negócio em operações de M&A onde se mira na formação do preço propriamente dita”.

Neste cenário, a BPH conta com equipe especializada para estruturação jurídica, acompanhamento e confecção dos documentos necessários à realização de operações de M&A e planejamentos sucessórios e societários, com ampla expertise no auxílio de todos os atos necessários à conclusão do projeto almejado pelo cliente.