Empresas perdem na Justiça disputa sobre benefício fiscal para exportação

Em du­as im­por­tan­tes de­ci­sões pa­ra a União, a Jus­ti­ça Fe­de­ral man­te­ve a re­du­ção de be­ne­fí­ci­os fis­cais do Re­gi­me Es­pe­ci­al de Rein­te­gra­ção de Va­lo­res Tri­bu­tá­ri­os pa­ra Ex­por­ta­do­ras (Rein­te­gra) es­ta­be­le­ci­da em de­cre­to do go­ver­no fe­de­ral es­te ano.

A pri­mei­ra me­di­da sus­pen­deu li­mi­nar que ga­ran­tia até agos­to cré­di­to de 2% so­bre as re­cei­tas de ex­por­ta­ções aos as­so­ci­a­dos da Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as do Es­ta­do do Es­pí­ri­to San­to (Fin­des) e do Cen­tro da In­dús­tria do Es­ta­do (Cin­des). A ou­tra ne­gou um pe­di­do da Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as do Es­ta­do de São Pau­lo (Fi­esp) e do Cen­tro das In­dús­tri­as do Es­ta­do (Ci­esp) pa­ra a re­du­ção de cré­di­tos pa­ra 0,1% co­me­çar a va­ler ape­nas em 2019.

No pro­ces­so do Fin­des/Cin­des, a Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Fa­zen­da Na­ci­o­nal (PGFN) ale­ga que o adi­a­men­to das mu­dan­ças no Rein­te­gra tem po­ten­ci­al efei­to mul­ti­pli­ca­dor, “o que agra­va­ria ain­da mais a le­são à eco­no­mia pú­bli­ca”.

Se­gun­do o ór­gão, a pror­ro­ga­ção até o fim de agos­to cau­sa­ria im­pac­to es­ti­ma­do em R$ 1,7 bi­lhão na ar­re­ca­da­ção. “A de­ci­são in­ter­fe­re de ma­nei­ra ab­so­lu­ta­men­te sen­sí­vel na ges­tão fi­nan­cei­ra do go­ver­no fe­de­ral e no cum­pri­men­to da Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal”, ar­gu­men­ta no pe­di­do de sus­pen­são.

O Rein­te­gra foi cri­a­do em 2011 pe­la Lei nº 12.546 pa­ra es­ti­mu­lar as ex­por­ta­ções e a com­pe­ti­vi­da­de na­ci­o­nal, por meio da de­vo­lu­ção de par­te dos cus­tos de tri­bu­tos na pro­du­ção des­ses bens. Em maio, po­rém, o De­cre­to nº 9.393 re­du­ziu o be­ne­fí­cio às ex­por­ta­do­ras de 2% pa­ra 0,1%. O ob­je­ti­vo foi de com­pen­sar a que­da na ar­re­ca­da­ção fe­de­ral de­cor­ren­te da de­so­ne­ra­ção do di­e­sel pa­ra os ca­mi­nho­nei­ros.

O Fin­des/Cin­des con­se­gui­ram li­mi­nar fa­vo­rá­vel a 18 mil as­so­ci­a­das (pro­ces­so nº 00123 3998.2018.4.02.5001). A PGFN con­tes­tou o ar­gu­men­to de que a me­di­da iria con­tra os prin­cí­pi­os da le­ga­li­da­de e da an­te­ri­o­ri­da­de tri­bu­tá­ria. Se­gun­do a pro­cu­ra­do­ria, as Leis 10.865/2001 (ar­ti­go 23, pa­rá­gra­fo 5º) e 9.718/1998 (ar­ti­go 5º, pa­rá­gra­fo 8º) au­to­ri­zam o Po­der Exe­cu­ti­vo a al­te­rar as alí­quo­tas es­ta­be­le­ci­das.

Pa­ra a PGFN, não há obri­ga­to­ri­e­da­de de cum­prir o pra­zo de 90 di­as an­tes da vi­gên­cia da nor­ma pa­ra re­du­ção de be­ne­fí­cio. O ór­gão uti­li­za co­mo ar­gu­men­to jul­ga­men­to do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (RE 1.054.181).

O de­sem­bar­ga­dor fe­de­ral e vi­ce-pre­si­den­te do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral (TRF) da 2ª Re­gião, Gui­lher­me Cou­to de Castro, aca­tou a ar­gu­men­ta­ção do ór­gão. De acor­do com o ma­gis­tra­do, “bas­ta di­zer, no ca­so, que a de­ci­são com­ba­ti­da, to­ma­da em juí­zo de cog­ni­ção su­ma­rís­si­ma, é tu­mul­tuá­ria, por con­ce­der tra­ta­men­to di­fe­ren­ci­a­do aos con­tri­buin­tes se­di­a­dos em um de­ter­mi­na­do Es­ta­do, em de­tri­men­to dos de­mais” (pro­ces­so nº 0007 002-96.2018.4.02.0000). O ma­gis­tra­do tam­bém con­si­de­rou o ris­co de gra­ve le­são à or­dem e eco­no­mia pú­bli­cas.

O ge­ren­te ju­rí­di­co da Fin­des, Sa­mir Fur­ta­do Ne­mer, afir­ma já ter en­tra­do com re­cur­so (agra­vo in­ter­no) con­tra a sus­pen­são da li­mi­nar. “O TRF foi le­va­do a er­ro pe­los ar­gu­men­tos da União. Pa­ra ha­ver le­são à or­dem pú­bli­ca, a PGFN de­ve­ria ter com­pro­va­do vi­o­la­ção a prin­cí­pi­os, mas foi ela quem ofen­deu prin­cí­pi­os”, diz. “Além dis­so, to­do Es­ta­do que se sen­tir le­sa­do tem o di­rei­to de re­cor­rer ao Ju­di­ciá­rio”.

Já na de­ci­são con­trá­ria ao pe­di­do da Fi­esp e do Ci­esp, a juí­za Su­za­na Fer­ri, da 2ª Va­ra Cí­vel Fe­de­ral de São Pau­lo en­ten­deu que a Fi­esp não tem le­gi­ti­mi­da­de pa­ra pro­por um man­da­do de se­gu­ran­ça co­le­ti­vo (pro­ces­so nº 501373244.2018.4.03.6100). A en­ti­da­de re­pre­sen­ta os sin­di­ca­tos e não as em­pre­sas di­re­ta­men­te.

Ao Ci­esp, a ma­gis­tra­da ne­gou o pe­di­do li­mi­nar por en­ten­der que cum­pre ao Exe­cu­ti­vo ava­li­ar a fi­xa­ção da alí­quo­ta do Rein­te­gra “pro­por­ci­o­nan­do a re­du­ção dos cus­tos da im­por­ta­ção sem fe­rir a ne­ces­si­da­de de ar­re­ca­da­ção es­ta­tal pa­ra ar­car com seus de­ve­res ins­ti­tu­ci­o­nais, so­bre­tu­do di­an­te do sur­gi­men­to de um dé­fi­cit or­ça­men­tá­rio”.

Por no­ta, o de­par­ta­men­to ju­rí­di­co da Fi­esp e Ci­esp, en­ti­da­des que re­pre­sen­tam cer­ca de 150 mil em­pre­sas, in­for­ma que re­cor­re­rá. “En­ten­de­mos que a no­va le­gis­la­ção fe­riu o prin­cí­pio da não sur­pre­sa, da se­gu­ran­ça e da an­te­ri­o­ri­da­de ao mo­di­fi­car, du­ran­te o exer­cí­cio fis­cal, con­di­ções já pre­es­ta­be­le­ci­das. Es­te en­ten­di­men­to já foi in­clu­si­ve ex­ter­na­do pe­lo STF”, diz por no­ta.

Uma das de­ci­sões ci­ta­da pe­las en­ti­da­des é da 1ª Tur­ma do Su­pre­mo, de re­la­to­ria do mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio, pu­bli­ca­da em maio (RE 964.850). O pre­ce­den­te é o mes­mo men­ci­o­na­do por uma in­dús­tria de tin­tas pau­lis­ta que con­se­guiu o di­rei­to de man­ter o per­cen­tu­al de 2% até o fim do ano.

No pro­ces­so, a ad­vo­ga­da Pris­ci­la Dal­co­mu­ni, do Mar­ti­nel­li Ad­vo­ga­dos, que re­pre­sen­ta a in­dús­tria de tin­tas, ci­tou a de­ci­são da 1ª Tur­ma do STF, que de­ter­mi­na a apli­ca­ção da an­te­ri­o­ri­da­de anu­al (qu­an­do a al­te­ra­ção só po­de va­ler a par­tir do ano-ca­len­dá­rio se­guin­te) pa­ra a en­tra­da em vi­gor do De­cre­to nº 8.415, de 2015. “A nor­ma re­du­zia as alí­quo­tas do Rein­te­gra de 3% pa­ra 1%”, diz a tri­bu­ta­ris­ta.

No ca­so de ma­jo­ra­ção de con­tri­bui­ções (co­mo o PIS e a Co­fins), a Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral exi­ge ape­nas a an­te­ri­o­ri­da­de no­na­ge­si­mal. Con­tu­do, se­gun­do Pris­ci­la, a re­du­ção do Rein­te­gra im­pac­ta os tri­bu­tos fe­de­rais em ge­ral. “As ex­por­ta­do­ras não con­se­guem usar os cré­di­tos acu­mu­la­dos pa­ra aba­ter quais­quer tri­bu­tos”, afir­ma.

Ao con­ce­der a li­mi­nar, o juiz Jo­sé De­nil­son Bran­co, da 3ª Va­ra Fe­de­ral de San­to André (SP), en­ten­deu que a re­du­ção da alí­quo­ta do in­cen­ti­vo fis­cal con­ce­di­do pe­lo Rein­te­gra “tra­duz-se em au­men­to de tri­bu­to de for­ma in­di­re­ta, se­gun­do jul­ga­dos do Egré­gio Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral” (pro­ces­so nº 00215151.2018.4.03.6126).

A PGFN in­for­mou so­bre o pro­ces­so que “a seu tem­po, se­rá in­ter­pos­to agra­vo de ins­tru­men­to con­tra a de­ci­são li­mi­nar”. Por no­ta, a pro­cu­ra­do­ria afir­ma que de­ci­sões do STF que apli­cam a an­te­ri­o­ri­da­de tri­bu­tá­ria são uma va­ri­a­ção de ro­ta iso­la­da.

Fonte: Mauro Negruni via Valor Econômico