29% das empresas preparam funcionários para que trabalhem em conformidade com a LGPD

A 5ª Pesquisa Nacional Eskive sobre Conscientização em Segurança da Informação revela que 29% das empresas contam com um programa de conscientização dedicado à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). O dado aponta aumento de seis pontos percentuais em comparação com a pesquisa de 2019. Realizado pela Flipside, empresa de conscientização corporativa em segurança da informação, o estudo envolveu 300 profissionais de segurança das principais empresas brasileiras em 26 segmentos distintos.

Outro dado aponta que 66% das companhias dedicam de 1% a 25% de todo o tempo do time de segurança da informação em programas de conscientização, e apenas 6% das empresas possuem um profissional dedicado. Além disso, a pesquisa mostrou um aumento de 11% no apoio da alta direção nesse tipo de iniciativa, deixando evidente que o papel do usuário na proteção das informações entrou na agenda dos executivos em 2020. 

Minimizar riscos de incidentes; LGPD, exigências regulatórias e de auditoria; e segurança como estratégia de negócio são as três principais causas que levam as empresas a investirem em um programa de conscientização, respectivamente. 

Já as ameaças à segurança da informação que os entrevistados consideram mais relevantes relacionadas aos comportamentos dos usuários incluem o crescimento de ataques de phishing (9%) e uma maior preocupação em relação ao uso inadequado do e-mail profissional (16%), ao uso de grupos de trabalho em aplicativos de mensagens instantâneas (4%), a visitas a sites maliciosos (11%) e ao compartilhamento indevido em redes sociais (3%). 

Nos últimos cinco anos, houve um aumento de mais de 10% no número de empresas que começaram a investir em programas de conscientização. Entre os anos de 2016 e 2019, cerca de 33% das empresas não possuíam nenhum tipo de investimento em ações desse tipo, face a 22% em 2020. Dentro das companhias que investem até R$ 100.000,00, o número se manteve estável, na média de 50%. Orçamentos entre R$ 100.000,00 e R$ 500.000,00 tiveram um aumento de 6%. Empresas que investem acima de R$ 500.000,00 representam 10%. 

Fonte: iPNews